sexta-feira, abril 25, 2014

April's colors

Fotos de flores. / Flower photos.

Hoje, dia em que aqui em Portugal, se comemora a Revolução de Abril que, há quarenta anos atrás, ditou o começo da democracia e da liberdade, no nosso país, deixo uma foto, com as cores que sempre ficarão ligadas a este acontecimento.

Infelizmente, há que fazer notar que, quarenta anos depois, a ditadura política parece ter sido substituída, aos poucos, por uma ditadura dos mercados financeiros.
E que quarenta anos depois, ainda que haja liberdade para falar, pensar, escolher e viver... muitos não terão a capacidade para verdadeiramente existir... e muitos outros para subsistir... devido ao funcionamento das leis dos mercados financeiros, no seu melhor... confrontando-se com o pagamento de elevados impostos, e o desaparecimento de inúmeros pequenos negócios...
E tudo em nome de um deficit... Às vezes penso, no que diria Keynes sobre o assunto?
Foto de Ana Freire.
"A renúncia é a libertação. Não querer é poder." (FERNANDO PESSOA, 1888 - 1935)
Hoje é o dia em que, aqui em Portugal, se comemora a Revolução de Abril, que há quarenta anos atrás, ditou o começo da democracia e da liberdade, no nosso país. / Today is the day, here in Portugal that marks the April's Revolution, which forty years ago, has dictated the beginning of democracy and freedom, in our country.
Cores de Abril / April's Colors

Today is the day, here in Portugal, that marks the April's Revolution, which forty years ago, has dictated the beginning of democracy and freedom, in our country.
So, I leave here today, a photo with the colors that will always be related to this event.

Unfortunately, it must be noted that forty years later, the political dictatorship, seems to have been replaced gradually, by a dictatorship of the financial markets.
And that forty years years later, although there is freedom to speak, to think, to choose, and to live... many do not have the capacity to truly exist... and many others to survive... due to the laws of the financial markets, functioning at its best... confronting themselves with the payment of high taxes, and the disappearance of an untold number of small businesses...
And all in the name of a deficit... I wonder... what would say Keynes on the matter?
Photo by Ana Freire.


12 comentários:

  1. Deixaste as cores de Abril que ficaram muito bonitas, já a realidade em que vivemos actualmente não tem este colorido. Resta-nos a esperança.

    Beijos Ana

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Também acho, que nos dias que correm, estas cores andam meio desbotadas... resta-nos mesmo a esperança... até começar a pagar imposto... já que vão começar no sal e no açúcar... tiram-nos as cores, os sabores... e qualquer dia a esperança... eles bem se esforçam... todos os dias mais um bocadinho... Enfim!...
      Obrigada, Manu!
      Beijos
      Ana

      Eliminar
  2. Oi Ana
    Já era tempo do 'vermelho' se transformar no branco _da paz ! luminosa ,com a transparência nos destinos dos países que clamam por uma liberdade comprometida com a lisura igualdade e verdade.
    Não deveria ser tão difícil assim!
    Foto bonita das papoulas,
    abraços e uma excelente semana . com a esperança de dias melhores e mais justos.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Oi, Lis!
      Infelizmente, por cá, ainda estaremos um pouco longe de ver tudo transformado no "branco" da paz... por enquanto uma paz meia podre, mesmo, para se ir aguentando... o que por cá se vai fazendo...
      E se o "vermelho" anda meio desbotado... como símbolo de liberdade... ainda vai dando para se ir vendo algum, por aí... de raiva... vergonha... indignação...
      Obrigada, Lis, boa semana também... mas logo, logo, já vou espreitar seus blogs, vendo as novidades, e arejando ideias no seu Brasil bem tropical, sempre de cores fortes e quentes...
      Beijos
      Ana

      Eliminar
  3. Mas quem é o Keynes?
    Eu sou conheço o Keanu Reeves, que fazia suspirar muita moça da minha geração.
    :-D

    Em relação ao estado no nosso pais à beira mar plantado... nem é preciso dizer nada. Aliás, o texto que escreveu, diz tudo e de uma forma muito bem dita.

    Em relação a estas flores, que serviram para fazer a associação com as flores de Abril (os cravos), optou por apresentar-nos papoilas. Sendo elas as flores do ópio, estará a querer insinuar que a nossa única alternativa para sair desta crise lamacenta e movediça, será começar a produzirmos droga? Poderia ser a nossa salvação, se todos os portugueses passassem a ser traficantes. Será que Portugal não poderia ser um pais produtor de droga?
    Se os outros países fazem... porque não poderíamos fazer também.
    :-D

    Parvoíces minhas à parte, a fotografia ficou bem conseguida. O verde e o vermelho em perfeita harmonia.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Logo vi que a onda do Remus seria Matrix. É cá um feeling...
      John Maynard Keynes, economista britânico, é considerado o pai da macroeconomia, tal como se conhece hoje.
      Defendia uma política de Estado intervencionista, por acção dos efeitos multiplicadores e aceleradores de diversas medidas fiscais e monetárias, quando aplicadas a variáveis como o Consumo, Investimento, Gastos Públicos, Impostos, Exportações e Importações.
      Acreditava que com estes instrumentos seria possível controlar os ciclos económicos, estabilizando-os, evitando-se as consequências das piores fases da economia: recessão e depressão. Actualmente, Obama, por exemplo, segue todas as suas dicas... senão a coisa ainda estaria bem pior... para eles... e para nós.
      Ora papoilas... porque não tinha nenhuma foto de cravos à mão... Não sei porquê, mas nunca me lembro de tirar fotos desta flor...
      Se Portugal fosse produtor?... Só posso dizer que, se calhar, andávamos quase todos muito mais alegres... mesmo enterrados até ao pescoço... conforme estamos... e veríamos o mundo com outros olhos... ainda que alucinados...
      Obrigada, Remus... pela visita e pela opinião.
      Bjs
      Ana

      Eliminar
  4. Lembro-me numa aula de história falarmos do 25 de abril, do que de bom e mau provocou neste país. Houveram diversas opiniões, mas numa coisa estivemos todos de acordo, é bom ser feriado.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá, Questiuncas!
      Bem-Vindo, por estas bandas...
      Nem mais... por esse prisma, acho que estamos mesmo todos de acordo... (sem ser ortográfico).
      Por aí se vê, que as maiorias, às vezes, até têm razão... Mas só às vezes... porque na maioria das vezes... as maiorias, mesmo as eleitas... só significam, que os palermas estão todos do mesmo lado...
      Um abraço, e obrigada pela visita!
      Agora que deu com o caminho... apareça mais vezes...
      Ana

      Eliminar
  5. Excelentes tons, fortes, fazem-nos saltar de papoila em papoila. Boa dedicatória.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá, Zekarlos!
      Obrigada... Também achei que vinha mesmo a calhar.
      Bjs
      Ana

      Eliminar
  6. Uma maravilha de cores e uma ótima escolha no texto que representou a imagem.
    BJo

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada, Jéff!
      Não são propriamente as papoilas, que são utilizadas na celebração deste dia, por cá, são antes os cravos vermelhos... mas como não dispunha de nenhuma foto, de cravos... usei o que tinha à mão...
      Beijos
      Ana

      Eliminar