quarta-feira, abril 09, 2014

Another break in the wall...

Fotos de paisagem humanizada. / Humanized landscape photos.

Domingo, foi um dia duro...
Morreu alguém que eu pouco conhecia, confesso... talvez porque andasse meio distraída, com a minha vida...
Mas era alguém, que eu fui aprendendo a conhecer, e a admirar, ao longo dos últimos meses, através das suas conversas francas, no programa "Vinte e oito minutos e sete segundos de vida".

Admirei a sua franqueza, a sua abertura, a sua total falta de auto-piedade, a sua coragem em chamar as coisas pelos nomes, e a sua força inabalável, ao lutar contra uma doença,  da qual nunca ninguém gosta, sequer, de pronunciar o nome...
Também nunca entendi porquê... é uma palavra tão banal como qualquer outra...
Como... nascer, morrer, viver, sofrer, sorrir, amar, sobreviver, acreditar, desiludir...
Tão banal como qualquer outra...
Fiz dessa pessoa, o meu mais recente herói, de uma luta desigual, da qual muito poucos saem vencedores... infelizmente.
Reconheci nele, a força sem limites do meu pai, até ao seu último segundo, e revi nos seus olhos, de um azul profundo, os olhos da minha melhor amiga...

Nenhum deles ganhou a batalha, contra essa doença.
Mas de todos eles fica o exemplo da sua luta, coragem, e da lição, que cada um deles, me transmitiu, a de que:
Cada segundo conta.

Hoje deixo por aqui, uma foto sugestiva... e uma das mais brilhantes frases, que ouvi recentemente, da pessoa de quem vos falo hoje...
Porque há luzes que nunca se extinguem... e porque Luz... também era o nome da minha melhor amiga...
Foto de Ana Freire.
"Posso morrer de cancro, mas ele nunca me matará." (MANUEL FORJAZ, 1963 - 2014)
Deixo por aqui uma foto sugestiva... e um dos mais brilhantes pensamentos, que ouvi recentemente, da pessoa de quem vos falo hoje... / I leave here, a suggestive image... and one of the most brilliant thoughts I heard recently, of the person of whom I speak, to you today...
Mais uma quebra na parede... / Another break in the wall...

"I can die from cancer, but it will never kill me." (MANUEL FORJAZ, 1963 - 2014)
Sunday, was a tough day...
Someone I hardly knew, I confess, died...
But he was someone, that I was learning to know and admire over the last few months, through his frank talks, during the program "Twenty eight minutes and seven seconds of life."


8 comentários:

  1. Morrer... Todos nós sabemos que vamos morrer um dia. Mas todos nós pensamos que será de uma forma calma e de preferência até durante o sono. Num dia vamos dormir e já não acordamos.

    Mas depois existem aqueles que passam por esta doença terrível. Uma doença em que morremos um bocadinho todos os dias e as próprias pessoas que estão à nossa volta, também vão morrendo um bocadinho.

    Da fotografia, perante este assunto tão sério, quase que nem vale a pena falar. Mas digo que ela ficou muito bem. Com as cores a ganharem destaque por tão vibrantes que estão.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada, Remus!
      Acho que foi da única forma que consegui retratar, esta doença, que embora represente um caminho sem volta para a grande maioria dos que dela sofrem, felizmente, não é um caminho sem retorno para muitos, havendo que manter a esperança, até ao fim... Daí a inclusão de um verde bem vibrante...
      Um abraço
      Ana

      Eliminar
  2. É um vazio que fica dentro de nós, um buraco que dificilmente será preenchido por pessoas que nos marcaram.
    Ficam as palavras, o exemplo de vida, a capacidade de luta e um exemplo a seguir.
    Tudo nesta vida é efémero, mas há aqueles momentos que nunca morrem dentro de nós.

    Beijos Ana

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Como já alguém disse... para grandes guerreiros, grandes batalhas...
      Gosto de pensar que estiveram cá, por empréstimo, e que simplesmente estão a ser mais necessários... em qualquer outro lado...
      Obrigada, Manu!
      Beijos
      Ana

      Eliminar
  3. Falar nessa certeza da vida ,que quando vem assusta e nos inquieta que é a morte ainda é difícil para todos nós.
    E sabemos que com o passar do tempo vamos perdendo os amigos, os mais de perto e que precisamos aprender a conviver com essa dor de vê-los 'ir embora' .
    Como o Remus disse bom seria se a partida fosse um dormir e não acordar , sem as doenças que tanto maltrata ,
    Fique bem Ana e na falta de palavras que possam confortar ,mando abraços
    A foto é bem forte mas vejo ali secretos caminhos que podem ser a luz em momentos sombrios.
    beijo

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada, Lis!
      Acho que foi a melhor forma que consegui demonstrar, com esta foto, dos efeitos que todo este processo, sempre causa nos próprios, e em quem os acompanha...
      No entanto, a esperança é sempre algo que está presente até ao fim... tinha que a incluir na foto... de alguma forma.
      O bom de todo este processo, para os que cá ficam... é que a vida passa a ser vista com outros olhos. As prioridades mudam...
      O que era importante deixa de o ser... e as coisas mais insignificantes, que antes passavam despercebidas, ganham lugar de destaque... porque são sempre as que mais nos preenchem, e as que dão mais sentido a tudo... sem que o tivéssemos percebido antes...
      Há sempre um lado bom... até mesmo em tudo o que é muito mau...
      E no fim disto tudo, aprendemos a distinguir o que é importante... do que não tem importância nenhuma. Já vale... só por isso!
      Beijos
      Ana

      Eliminar
  4. Fica aqui , mesmo que tardio, os meus mais sinceros sentimentos e que vc possa através da fotografia homenagear essa pessoa que de alguma forma marcou muito a sua vida.
    Vou ficar com os amigos em relação à imagem.
    Numa hora dessas é o que menos importa, mas que a homenagem fica e o sentimento permanece no seu coração .
    Um forte abraço e muita força.
    BJos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada, Jéff!
      Foi uma pessoa que esteve mais presente nos meios de comunicação, aqui em Portugal, nos últimos meses... e que me fez mexer com certas recordações pessoais...
      Bjs
      Ana

      Eliminar